• Leia onde estiver

  • Tópicos recentes

  • projeto paralelo

    Hiper - Estudos em Comunicação Digital
  • del.icio.us

  • now in theaters

  • Anúncios

o que obama nos ensina

Obama discursa na primária da Pensilvânia

é impressionante como a compreensão correta, a percepção exata pode fazer uma diferença considerável. ainda na madrugada de hoje, recebi esse e-mail do Comitê Eleitoral do senador Barack Obama.

Daniel —

Votes are still being counted in Pennsylvania, but one thing is already clear.

In a state where we trailed by more than 25 points just a couple weeks ago, you helped close the gap to a slimmer margin than most thought possible.

Thanks to your support, with just 9 contests remaining, we’ve won more delegates, more votes, and twice as many contests.

vocês já sabem que o candidato a candidato do Partido Democrata sofreu uma dura derrota para a senadora Hillary Clinton. Excepcional, nas palavras de quem acompanha a refrega de perto. Mas, o importante aqui, é o poder de mobilização que está sendo utilizado através da Web.

Obama venceu em 30 dos 44 estados onde já foram realizadas prévias. sua considerável margem foi conquistada numa importante seqüência de vitórias entre fevereiro e março. seu eleitorado, em sua maioria, é composto por jovens entre abaixo dos 30 anos.

há quem veja aí um verniz mercadológico para torná-lo um produto – Obama é iPod ou Mac? -, de modo a embalá-lo a um público que o compre por até três gerações.

e, neste novo momento da web, são os consumidores que estão indo ao encontro das marcas – e não mais o contrário. são eles que estão indo às ruas e às prévias votar. seguem obama. inclusive na rede.

em poucas palavras: mais mobilizado, este eleitor tem feito a diferença no jogo da escolha do Partido Democrata não só porque vota, mas porque cadastra novos eleitores. e a Web tem uma parcela importante nesse processo.

e é aqui que o excerto do e-mail que recebi do comitê de Obama atua. ao dizer que, ainda que os votos não tenham sido todos contados, eles agradecem a mobilização dos eleitores que permitiram reduzir uma diferença de 25 pontos percentuais entre a candidatura Clinton e a candidatura Obama.

não apenas isso: a campanha pede que a mobilização continue. que se permaneça cadastrando eleitores novos e mobilizando as pessoas a participar do processo. e esse papel é feito por gente que está por trás da estratégia de comunicação digital da campanha.

é uma lição importante. e é um belo estudo de caso de marketing político.

(ainda que cometa alguns erros. estou cadastrado com um zip code de beverly hills e recebi e-mails solicitando ajuda para cadastrar eleitores na pensilvânia. vá lá, talvez eu conheça alguém lá, não é? 😉 )

Anúncios