• Leia onde estiver

  • Tópicos recentes

  • projeto paralelo

    Hiper - Estudos em Comunicação Digital
  • del.icio.us

  • now in theaters

  • Anúncios

há quem prefira will.i.am

pra quem ainda não teve o prazer, vale a pena ouvir a versão que chris cornell fez para o clássico billie jean.

digamos que o sujeito tem um currículo daqueles. depois de soundgarden e audioslave, atrever-se a reinventar um clássico.

[e essa o jacko não coloca no álbum em comemoração aos 25 anos de thriller… vai entender.]

ps: assim que houver uma versão melhor do vídeo, sem slideshow 😉 , eu publico.

Anúncios

o que ele anda tomando?

A futura presidente da Argentina [Cristina Kirchner] já estaria boa com uma cerveja; a do Chile [Michelle Bachelet], com quatro; Hillary Clinton, com uma garrafa de tequila.

stewart copelanda frase já está na antologia das gafes de 2007 e é de responsabilidade de stewart copeland, baterista do the police, que se apresenta em santiago do chile.

em uma crise de consciência provocada provavelmente pela sobriedade, copeland enviou carta a presidente chilena, desculpando-se.

não é a primeira vez que o batera dá com a língua nos dentes. logo após o reencontro da banda, uma crise de ciúmes tomou conta do cara: ele chamou sting de “bichinha petulante” e afirmou que os primeiros shows do police estavam próximos do desastre…

vai entender.

é caso a ser investigado pela ciência… corta o que ele anda tomando. please.

ainda a gênese

um sujeito que usa um blusãozinho azul sem mangas não pode ser um rockstar.

mais parece um bancário. ou professor universitário. definitivamente.

Beatles 2.0

será que o quarteto de liverpool entrou na onda web 2.0? 😉

“Love” começa com o coro a capella de “Because” (do “Abbey road”) que ganha os assobios dos passarinhos de “Across the universe” emendada com o primeiro acorde “A Hard day’s night” e a bateria de Ringo em “The end”. Parece pouco, mas quem se digna a dar um pouco mais do seu tempo à música sabe que pequenos detalhes podem fazer uma enorme diferença.

Love Beatles

love é o mais novo lançamento dos beatles, que mistura diversas canções para montar uma absolutamente nova.

mashup já existia na música muito antes de ser o símbolo da web 2.0.

de renguear cusco

faz frio aqui hein, gente?

seu jorge, na madrugada de hoje, no pepsi on stage.

nem o violão suingado do cara fez o lugar aquecer-se.

shine on, pink floyd

é o maior de todos. e eu já tenho.

pink floyd pulse live

pink floyd, ao vivo, em londres. dark side of the moon tocado inteirinho. lembro de assistir ao show na bandeirantes, ao lado do alexandre corrêa, nos velhos tempos de zero hora.

são duas horas e 25 minutos de show. horrores de extras. magia. ah, e o david gillmour é o pai de todos, sem dúvida…

música, hiper e iPods

há várias coisas bacanas rolando nesse pulsante mercado de MP3. as vendas de álbuns digitais mais que dobraram nos estados unidos, e as pesquisas revelaram o óbvio: não tem pra ninguém contra o iPod.

isso e outras coisas escrevi lá no hiper. fiquei com preguiça de transcrever. e vocês precisam conhecê-lo, de qualquer modo.