• Leia onde estiver

  • Posts recentes

  • projeto paralelo

    Hiper - Estudos em Comunicação Digital
  • del.icio.us

  • now in theaters

para quem está de malas prontas

golden gate view

sei que isso anda para lá de parado. então vou aproveitar a chance que a minha dinda cássia me deu e passar a vocês as minhas dicas para uma viagem rápido-e-rasteira para los angeles e san francisco.

[a lista está ordenada, mas esse ordenamento não quer dizer importância. talvez para mim, que fui lembrando e mandando as dicas.]

é bom salientar que o especialista em los angeles da família não sou eu. mas como a clarissa não está a mão, então contentem-se comigo 😉

los angeles

estrela calçada da fama
  1. andar pela hollywood boulevard e conferir as estrelas na calçada e o mann chinese
  2. seguir a sunset boulevard até o pacífico e seguir à direita para malibu ou à esquerda para santa monica e venice beach
  3. relembrar james dean e ir até o observatório do griffith park
  4. procura por uma loja chamada amoeba, em hollywood. templo absoluto do consumo barato de CDs e DVDs

san francisco

lombard street
  1. lombard street – a rua é cheia de flores e contornos na mesma proporção. e a baía ao fundo é de tirar o fôlego
  2. os leões-marinhos no pier de fisherman’s wharf
  3. caminhar toda a embarcadero road – é tipo a nossa mauá, só que sem muro – e curtir os japas pescando na baía
  4. escolher algum chinês em chinatown – que é a maior chinatown do mundo fora, é claro, da china – e almoçar sem medo de ficar doente
  5. óbvio, atravessar a golden gate e ver a cidade ao fundo, depois da baía
  6. tentar encontrar algum vestígio do frank morris em alcatraz (é um lugar realmente lindo e frio)

a melhor de todas as dicas para mim é encurtar a estadia de três dias em los angeles e seguir até san francisco pela mítica pacific coast highway – se der, parar em san simeon e visitar o fantástico castelo de william randolph hearst.

steven johnson em porto alegre

steven johnson

sabe aquele cara que você admira por ter idéias simples e brilhantes? não parece, de modo algum, pedante ou auto-suficiente. ao contrário, está mais próximo de ser o irmão mais velho que decifra alguns dos mistérios mais complicados do mundo?

pois então. tem um sujeito assim por quem nutro uma admiração profunda. steven johnson. quem já foi meu aluno ou teve oportunidade de conversar comigo sobre as mudanças na web sabe disso.

porque o johnson, entre outras coisas, também busca em marshall mcluhan pistas para os enigmas atuais dos meios de comunicação, especialmente os de suporte digital. não que todas as respostas estejam lá, mas estão bem iluminadas.

longe de ser teórico chato, steven johnson é de uma clareza absurda em seus dois primeiros livros – a cultura da interface e, especialmente, em emergência -, faculdade essa que apenas só é desenvolvida por quem tem o leitor como foco, e não o próprio umbigo. leituras obrigatórias.

(para quem quiser ir adiante, há ainda surpreendente!, pela editora campus, e de cabeça aberta e o mapa fantasma, pela mesma jorge zahar que editou seus dois primeiros livros no brasil.)

pois bem. johnson estará em porto alegre, dia 16 de fevereiro, participando da conferência mundial sobre o desenvolvimento de cidades. ele fará a conferência da noite de encerramento do evento.

vocês podem notar a minha tristeza por não estar na cidade nesse dia. merecidamente, estarei em férias, quatro anos depois da última. em vez de guardar a informação comigo, resolvi compartilhá-la com todos, na esperança que alguém vá e me conte o que eu perdi.

a jihad do mainstream

os caros já foram apresentados ao hulu?

Hulu

ele oferece conteúdos da NBC diretamente na web [exige convite], sem intermediários, redes torrent ou sites com a íntegra de episódios de séries da rede norte-americana de televisão.

se a investida vai dar resultado frente à guerra contra a “pirataria” – o que eu acho que mais um conflito ideologizado que qualquer outra coisa, já que cultura foi feita para circular  -, não se sabe.

só o tempo dirá se os usuários migrarão dos meios alternativos e tomarão o rumo mainstream outra vez, como era há pouco tempo.

com muito orgulho

é com muita satisfação – e um iceberg de orgulho – que vejo o reconhecimento, em zero hora, ao trabalho imenso desenvolvido pela segunda turma de Comunicação Digital, que teve o desafio de reinventar o site do curso.

reinventar dentro dos padrões de uma nova geração na web – não apenas de seus produtos, ainda mais interativos, mas principalmente focado na geração web, a que vive a rede em todas as suas extensões.

ao lado do professor vinícius souza, fui um dos orientadores do trabalho. parabéns aos alunos e ao curso.

abaixo, a íntegra do texto na contra-capa do caderno vestibular, de zero hora.

Vestibular

Curso de cara nova

 

Dezessete formandos do curso de Comunicação Digital da Unisinos lançaram esta semana o novo site para divulgação da graduação. O trabalho feito em equipe mostra o espírito dos profissionais que estão chegando ao mercado depois de três anos e meio de aulas em um curso inovador. Para construir a home, encomendada pela universidade, a turma simulou uma agência digital, com todas as áreas necessárias a realização de um projeto na web: gerência de projetos, arquitetura de informação, produção de conteúdo, webdesign e planejamento de comunicação e marketing. E o resultado ficou à altura. A estudante Ana Lúcia Migowski, 20 anos, da equipe de produção de conteúdo conversou com o caderno Vestibular.

Vestibular – Como é ver o resultado do trabalho no ar?

Ana Lúcia – Produzir coisas até o fim, ainda na graduação, e fazer com que elas sejam publicadas é sempre muito bom. Foi importante também saber que os professores confiam na gente, nos deram um projeto grande e nós realizamos. Isso dá autoconfiança.

Vestibular – Qual foi o desafio de vocês?

Ana Lúcia – Mostrar o curso de maneira interessante, em um projeto que representasse bem a proposta inovadora dele. Dar uma cara nova ao curso. Era uma demanda nossa desde o início da graduação. A página está muito boa, todos se dedicaram muito e ainda temos alguns ajustes a fazer.

Vestibular – Como foi a repercussão do site?

Ana Lúcia – Para mim, foi uma grande mudança. Como trabalhamos muito com o marketing da universidade, eles viram o meu trabalho e me convidaram para participar de uma seleção para uma vaga de webwriter do setor. Eu participei da seleção, fiz entrevistas e passei. Comecei ontem a trabalhar. É o meu primeiro emprego.

Vestibular – Por que você escolheu este curso?

Ana Lúcia – Eu queria Jornalismo, mas conheci o curso ao lado do coordenador. Foi uma experiência legal e decidi fazer. Gosto muito da web e de coisas práticas. Sempre tive blog, fotolog e ganhei muito conhecimento no curso. Como também gosto de teoria, fiz vestibular na UFRGS para Ciências Sociais e estou cursando as duas faculdades. Acho que elas se complementam.

Acesse
www.unisinos.br/digital

fato do dia

chuck norris é o jack bauer 1.0.