• Leia onde estiver

  • Posts recentes

  • projeto paralelo

    Hiper - Estudos em Comunicação Digital
  • del.icio.us

  • now in theaters

quando sinais encontra lost

só faltavam aliens e ETs no Lost…

o que virá depois?

os fora-de-série e a blogosfera

Fiquei pensando em quem, na história da literatura brasileira, teria aderido à blogagem se ela estivesse ao seu alcance. Machado de Assis, provavelmente sim, para comentar com ironia e fino texto os acontecimentos da Corte – mas teria que ser um blog pago, amadorismo não. Amador, e amantíssimo, seria Mario de Andrade, autêntica lenda na web: blogueiro caudaloso, incansável nos posts e generoso na troca de mensagens com dezenas de leitores simultaneamente. Oswald começaria bem, espirituoso, sucinto, mas dificilmente sustentaria o esforço por um prazo longo: depois de três meses e meio sem renovação, tiraria o blog do ar. Graciliano e Rosa? Acho que não. O alagoano passaria uma violenta descompostura no primeiro comentarista que o chamasse de “Grassa”, levando o colega mineiro a cunhar a frase que ficaria famosa: “Blogar é muito perigoso”.

o excelente sérgio rodrigues no não menos excelente no mínimo trata de imaginar como notáveis da literatura brasileira se comportariam na blogosfera – se ela existisse em seus tempos, off course.

solidariedade ao tricolor

não costumo ter compaixão com rivais. abro exceção a este caso em particular.

Com cólica renal, o meia Tcheco ficou fora da partida de ontem. Em seu lugar, o técnico Mano Menezes escalou o lateral Alessandro. Para completar o banco de reservas, o lateral-direito Luiz Felipe viajou ontem mesmo a Volta Redonda.

minha solidariedade ao tcheco. só quem teve sabe quão barra pesada são as dores.

a culpa é dela

tchê, a ausência de coisas interessantes e decentes aqui tem nome e sobrenome: ressaca intelectual.

coisas da dissertação.

se eu não tiver/achar coisas bacanas para publicar, vou fazer uma retrospectiva.

Assista Lost pela Web

quer assistir aos episódios de Lost, sem correr o risco de ser preso ou coisa parecida baixando os capítulos sabe-se lá Deus de onde?

procure na web um programa chamado TVU Player.

ele ‘sintoniza’ vários canais norte-americanos pela web. e você assiste em tempo real a nova temporada. simples, não?

[atualização, com a correção do nome do software]
aqui e aqui vocês podem baixar o TVU Player e assistir aos canais de televisão por streaming.

v for vendetta, e for eggy

há posts que me arrependo de não ter escrito. está na cabeça, mas o cotidiano prioriza outras coisas, e eles ficam para trás, sem que eu possa dividi-los.

v for vedetta

um do filme mais tocante que assisti neste ano foi V de Vingança. insuperável até o momento, e duvido que algo possa transpor tanto a mensagem [o povo não deveria temer seu governo; o governo que deveria temer seu povo], quanto na estética, na adaptação da HQ de Alan Moore.

para mim, V de Vingança lembra muito Clube da Luta [você não é o que você veste; você não é o que você compra], principalmente pela ideologia que passa.

mas eu perdi a oportunidade de falar sobre lá atrás, logo que assisti ao filme. pena. entretanto, encontrei uma desculpa para resgatá-lo. olhe a imagem abaixo.

egg in a basket v for vendetta
V oferece a Evey algo que no filme é chamado de french toast. ela, inclusive, menciona que o café da manhã contém manteiga – um artigo racionado pelo regime autoritário britânico.

é o momento em que nosso anti-herói se aproxima mais da anti-heroína, há um diálogo fraterno, e sabemos um pouco mais da história que cerca os dois protagonistas. enfim. ocorre que eu queria fazer a frech toast para a clarissa.

pesquisando, descobri que não se trata de uma simples french toast. ao contrário.

na verdade, o prato preparado é uma variante do que conhecemos no brasil por rabanada. o que V cozinha é egg in a basket. e é muito mais simples de preparar do que parece no filme dos irmãos wachwoski.

mais uma lição de V.

te cuida, clemer

mais um game oportunista.

esse aproveita o frangaço do goleiro inglês contra a croácia.

meia boca.